Provérbios Egípcios Antigos

Se você é fascinado pelos antigos provérbios egípcios, vale a pena examinar seu impacto em nossa compreensão atual da mente. Esta rica civilização está repleta de conhecimentos que ainda se aplicam à nossa agitada vida quotidiana.

Datando de quase 3.000 anos antes da era atual (AEC), o antigo povo egípcio parecia estar muito à frente de seu tempo. Esta antiga civilização que foi esquecida nos conta seus pensamentos e ditos interessantes esculpidos em templos, estelas e paredes de tumbas por escribas.

Esta história praticamente ininterrupta e conceitos religiosos profundamente enraizados centraram-se em “conhecer a si mesmo”. O famoso filósofo Sócrates (469-399 a.C.) quase imita o que o antigo egípcio citava: “Conhecer a si mesmo é o começo da sabedoria”.

Provérbios Egípcios Antigos

  1. Não esvazies a tua alma para todos e não diminuas com isso a tua importância.
  2. A noz não revela a árvore que contém.
  3. A semente não pode brotar para cima sem simultaneamente lançar raízes no solo.
  4. Uma casa tem o caráter do homem que nela mora.
  5. Um aluno pode mostrar-lhe, pelos seus próprios esforços, o quanto merece aprender consigo.
  6. Não beba água na casa de um comerciante: ele vai cobrar por isso.
  7. Conhecimento não é necessariamente sabedoria
  8. Cada verdade que você aprender será, para você, tão nova como se nunca tivesse sido escrita.
  9. Ouça suas convicções, mesmo que pareçam absurdas à sua razão.
  10. Deus ama aquele que se preocupa com os pobres mais do que aquele que respeita os ricos.

A Sabedoria do Antigo Egito

No Antigo Egito, “filosofia” não era uma profissão, nem um ofício, era algo que era transmitido às crianças da comunidade. Ao contrário dos sofistas gregos que ensinavam apenas aos ricos, esta sociedade garantia que todos tivessem a oportunidade de aprender, independentemente da classe.

Pode interessar-lhe:  Significado do sonho da porta

A sabedoria era considerada algo em que alguns egípcios cresceram como resultado da obediência às leis “naturais” corretas que regulavam a vida. A sua conceptualização destas leis, embora metafórica, visual e pluriforme, mostra que uma apreciação constante da verdade, da justiça e da integridade estava no seu cerne.

Esses valores humanos únicos estavam em ação no cosmos e nas culturas humanas, e o Faraó foi o melhor exemplo deles para a civilização egípcia.

Carl Jung Simbolismo Egípcio Antigo

Os antigos egípcios não se preocupavam apenas com o autoconhecimento, mas também estudavam a importância dos sonhos e do simbolismo. Carl Jung até usou o antigo simbolismo dos egípcios para obter melhor seu conhecimento pessoal e o de seus pacientes.

No livro de Carl Jung de 1960 Sincronicidade, Jung nos explica sobre uma jovem educada que sentia como se soubesse tudo e tornava sua análise muito difícil. Depois de várias tentativas infrutíferas de adoçar o racionalismo dela com uma compreensão um pouco mais humana, ele teve de se limitar à esperança de que algo inesperado e irracional surgisse. À medida que as sessões prosseguiam, ela mencionou a Jung um sonho impressionante na noite anterior.

O sonho era sobre alguém que lhe dera um escaravelho dourado – uma joia cara. Enquanto ela ainda contava o sonho a Jung, ele bateu na janela. Ele abriu a janela imediatamente e pegou o inseto no ar enquanto ele voava. Era um escaravelho, ou forra-de-rosa comum (Cetonia aurata), cuja cor verde-dourada mais se assemelha à de um escaravelho dourado.

Entreguei o besouro ao meu paciente com as palavras: “Aqui está o seu escaravelho”. Esta experiência abriu o buraco desejado no seu racionalismo e quebrou o gelo da sua resistência intelectual. O tratamento agora pode ser continuado com resultados satisfatórios.

Pode interessar-lhe:  O que significa sonhar com minhocas?

No antigo simbolismo egípcio, o escaravelho era visto como um símbolo deste ciclo celestial e da ideia de renascimento ou regeneração. Temos muito potencial dentro de nós e ainda assim nos concentramos em bens materiais e desejos descontrolados. Todos deveríamos seguir o exemplo do antigo povo do Egipto e aplicar os seus milhares de anos de sabedoria colectiva às nossas vidas quotidianas, especialmente quando examinamos os nossos próprios sonhos.

Deixe um comentário